Jornal do Brasil

Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

Ciência e Tecnologia

Saiba quando pintas e sardas apresentam perigo

Jornal do Brasil

Mais comuns no rosto, tórax, braços, costas e mãos, as pintas e sardas podem ser consideradas puro charme, mas quando em excesso e com colorações diferenciadas devem receber atenção especial, pois são alterações da derme e podem até tornar-se câncer de pele.

As principais diferenças entre pintas e sardas são: as pintas são caracterizadas por lesões planas ou elevadas e de coloração variada. Já as sardas são manchas pigmentadas que podem variar do marrom claro para o escuro, muito comum em pessoas de pele branca, loiros e ruivos. Alguns fatores como, por exemplo, medicamentos, baixa imunidade, alterações hormonais, genética, gravidez, exposição solar, o avanço da idade ou puberdade podem contribuir para o desencadeamento dessas manchas.

Mas quando elas representam perigo?

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Marcelo Olivan, há três indícios para um possível diagnóstico de câncer: cor da pele (quanto mais clara, mais risco a pessoa tem), quantidade de manchas, local em que a pessoa vive (exposição ao sol aumenta o risco de câncer). “É preciso ficar atento às características das manchas, que podem se transformar em melanoma maligno”, avisa Dr. Olivan. A exposição aos raios UVA/UVB é um fator preponderante para o câncer de pele.

Vale lembrar que a nossa pele é constituída de diversas células, entre elas estão os melanócitos, responsáveis pela coloração da pele e do cabelo. Quando uma célula é atingida, principalmente pela radiação solar, poderá ocorrer uma agressão ao DNA celular, processo que origina o câncer conhecido como melanoma. Cerca de 50% são originários de uma mancha pré-existente. 

O câncer de pele é temido pela formação de metástases que se alastram rapidamente para outras partes do corpo. Para evitar a mutação, os pacientes deverão ficar atentos com os mais variados tipos de manchas (pintas e sardas): as normais são pintas de formato simétrico (arredondada ou oval), tem borda regular, definida e cor castanha ou cor de pele, com diâmetro de 6mm ou menor, que não representam risco para a saúde. Já as atípicas são as pintas assimétricas, com borda irregular, variação de cor e maior do que 6 mm podem ser uma indicação de um câncer de pele melanoma ou não-melanoma.

Sobre o Dr. Marcelo Olivan

O Dr. Marcelo Olivan tem doutorado em Cirurgia Plástica pela USP. É Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da International Society of Aesthetic Plastic Surgery, Médico da Disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina da USP, Médico do ICESP - Complexo Hospital das Clínicas, Médico do corpo clínico dos hospitais Israelita Albert Einstein, Sírio Libanês, Alemão Oswaldo Cruz, São Luiz, entre outros.

Tags: Beleza, dermatologia, estética, face, medicina, rosto, SAÚDE

Compartilhe: