Jornal do Brasil

Domingo, 19 de Agosto de 2018 Fundado em 1891
Coisas da Política

Coisas da Política

Tereza Cruvinel


O imponderável no pleito

Jornal do Brasil

Termina hoje, com as últimas convenções, a chamada pré-campanha. A escolha dos candidatos clareia o quadro mas continuamos a navegar no nevoeiro.  Observamos e analisamos a campanha com olhos do passado, segundo padrões, tendências e costumes que não terão agora o mesmo valor,  em função das singularidades da disputa, da psicologia de um eleitor desiludido com a política e de mudanças culturais/ comportamentais ditadas pelas tecnologias. 

O tão valorizado tempo de televisão acirrou as disputas por aliados na reta final desta etapa. Mas terá ele ainda o mesmo peso ou a TV perderá influência para a Internet, as redes sociais e outras mídias, afora as convencionais e o horário eleitoral dito gratuito? 

Se o tempo de TV ganhasse eleição, o tucano Geraldo Alckmin já estaria eleito. O acordo com o Centrão vai lhe garantir 40% do tempo diário que será repartido em duas edições a partir do dia 31.  Já foi surrado o exemplo de Ulysses Guimarães, o mítico líder da resistência parlamentar à ditadura que, apesar do maior tempo, ficou em sétimo lugar em 1989.  Em sentido contrário, em 2016 o candidato do PHS, Alexandre Kalil, elegeu-se prefeito de Belo Horizonte tendo apenas 23 segundos de tempo de TV.  A teia, a força e a influência das redes sociais cresceram muito de lá para cá, mas é impossível, hoje, precisar o papel que jogarão.  

A pesquisa da CNI “Retratos da Sociedade Brasileira” trouxe, na semana passada, afora resultados eleitorais já conhecidos, algumas informações sobre o sentimento do eleitor. A indefinição segue altíssima, com apenas 27% considerando sua escolha de hoje definitiva. A motivação em relação ao pleito é contraditória: 72% acham que ele pode mudar o país para melhor mas 45% declaram-se pessimistas  quanto ao resultado.  Todos prometem prestar muita atenção ao discurso dos candidatos. A maioria, 62%, disse que o fará através dos meios convencionais, como jornais, revistas, rádio e televisão, sendo que 25% farão uso exclusivo dela para se informarem.  Mas 48% dos entrevistados declaram-se usuários de diferentes plataformas na Internet, sendo que 26% incluem entre elas as redes sociais mais conhecidas; 16% só se informam pela Web, sendo que 5% apenas através de redes sociais e blogs; 8% valem-se apenas de portais de jornais e sites jornalísticas. A guerra contra as fake news reflete, em grande parte, a disputa por influência entre estes mundos midiáticos.

SEM MEDIDAS 

Candidato singular é Bolsonaro, que parece ter vindo de outro mundo mas fala para uma extrema-direita preexistente que agora saiu do armário. O tamanho eleitoral dela só saberemos depois da apuração. Nunca foi antes representada nem mensurada. 

Fenômeno eleitoral não é só o estouro de um nome novo e arrebatador.  Nesta eleição, o único fenômeno é Lula, por se manter na liderança após quatro meses de prisão e contra todos os avisos de que sua candidatura será impugnada. Mas o êxito do PT com o substituto de Lula dependerá de outro imponderável, seu poder de transferência de votos. Lula o gastou muito com Dilma e Ciro Gomes já fala que “O Brasil não aguenta outro poste”. 

O apoio do Centrão garantiu máquinas eleitorais formidáveis a Alckmin, entendemos no primeiro momento: DEM, PP, PR etc.  Mas quando examinamos a situação nos estados, não é bem assim.  O acordo feito “pelo alto” entra em contradição com a realidade local.  Ninguém acredita que o presidente do PP, Ciro Nogueira, suará a camisa pelo tucano.  O lulismo campeia no Piauí e lá ele integra a coligação do governador petista Welligton Dias. O apoio do DEM não pode ser tomado ao pé da letra. O coordenador da campanha de Bolsonaro no Sul é o demista Onyx Lorenzoni.  Ao aceitar ser vice de Alckmin, a senadora Ana Amélia sacrificou a candidatura do pepista Luiz Heinze a governador, em favor do tucano Eduardo Leite. Mas o PP gaúcho continuará apoiando maciçamente é Bolsonaro.  

Por isso e muito mais, esta eleição não pode ser examinada com os instrumentos de outro tempo.



Tags: artigo, coluna, cruvinel, jb, jornal, tereza

Compartilhe: