Jornal do Brasil

Domingo, 19 de Agosto de 2018 Fundado em 1891
Coisas da Política

Coisas da Política

Tereza Cruvinel


Tomando forma

Jornal do Brasil

Nem Lula nem seu candidato a vice, Fernando Haddad, estarão hoje no debate da Band. Ruim para Lula, que até recorreu ao TRF-4 pedindo o direito de comparecer ou ser representado. Pior, talvez, para Geraldo Alckmin, que não poderá bater no PT. Ao centrar fogo em Jair Bolsonaro, dará início precoce à luta sangrenta que travarão em torno de uma das vagas no segundo turno, no pressuposto óbvio que não haverá lugar para dois candidatos de direita. A outra vaga, segundo a maioria dos pesquisadores, será da esquerda, possivelmente de Lula-Haddad.

A pesquisa CNT-MDA publicada ontem trouxe notícias ruins para o tucano. Realizada apenas em sua fortaleza eleitoral (e capital do antipetismo), o estado de São Paulo, a pesquisa mostrou que ali também Lula lidera,  com 21,8%, seguido por Bolsonaro,  com 18,4%, e depois por Alckmin, com 14,0%.  No cenário sem Lula, Bolsonaro lidera com 18,9%, seguido por Alckmin (15,0%),  Marina (8,4%) e Haddad (8,3%). O que o Centrão vendeu ao candidato do PSDB foi o maior tempo de televisão; votos mesmo, ele terá que buscar, quando o horário eleitoral começar e o eleitorado finalmente se ligar na curta campanha. Em muitos estados, líderes do Centrão estarão aliados a candidatos ligados ao PT, a Bolsonaro ou a Ciro Gomes.

Assim, ainda que preferisse dar combate ao PT, o primeiro desafio de Alckmin é recuperar os votos perdidos para o capitão da extrema-direita. Eram do tucanato, e não do lulismo, os votos que Bolsonaro ganhou entre os eleitores paulistas. Se conseguir derrubá-lo, pensa o tucano, no segundo turno cuidará do PT. Assim, no debate de hoje, devemos ter uma prévia da luta sangrenta entre os dois candidatos da direita. Um, muito insípido. O outro, muito áspero e obtuso.

O PT, é claro, prefere enfrentar Bolsonaro no segundo turno. Por isso, no primeiro, voltará seu fogo mais alto contra o tucano, seu mais provável contendor na rodada final. E aí teríamos, mais uma vez, a velha polarização PT-PSDB, mas com uma diferença nesta possível quinta refrega: dessa vez haveria uma extrema-direita que se aglutinou em torno de Jair Bolsonaro e que, ressentida com sua derrota, votaria maciçamente no oponente do petista ou do candidato de esquerda que for ao segundo turno, seja qual for o seu nome.

Voto útil mais interessante, porém, seria o produzido por um segundo turno entre  Bolsonaro e o candidato do PT. Tucanos e troianos em geral, seriam compelidos a sufragar o nome de Haddad para evitar o “coisa ruim”.  Alguns constrangidamente. Outros muito à vontade, como os do Centrão, que eram da base de Dilma até o momento em que resolveram traí-la, votando a favor do impeachment em troca de lugares no governo Temer.

Além do primeiro duelo entre Alckmin e Bolsonaro, devemos assistir hoje ao esforço de Ciro para se manter na disputa, tentando ganhar votos à esquerda e ao centro, bem como o de Marina e dos demais para se firmarem como alternativas ao já conhecido. Mas o bicho que vai tomando forma atende pelo nome de “mais do mesmo”.

Muito saliente

Alguém precisa dizer a Manuela DÁvila que se ela não contiver seu ímpeto afirmativo como vice “de fato” da chapa petista, acabará estragando o jogo. O lugar dela está garantido, seja com Lula ou com Haddad na cabeça. Não precisa ficar dizendo que irá morar no Jaburu.

Ser e parecer

Os ministros do STF que aprovaram ontem um aumento de 16,38% em seus salários, para 2019, vão apanhar muito. Vai se dizer que aquela corte branca tira dinheiro da saúde e da educação para colocar no bolso quando, em verdade, a proposta não aumenta o orçamento do Judiciário. O cobertor seria esticado ali dentro mesmo, tirando de outras áreas. Mas quando a crise fiscal sacrifica todos os serviços públicos e o vermelho das contas prejudica a retomada do crescimento, e logo, a volta dos empregos, o exemplo que vem do Supremo é nefasto. A repercussão sobre os gastos com pessoal em outras áreas será enorme, aumentando a potência da bomba fiscal que o futuro presidente herdará.



Tags: alckmin, bolsonaro, manuela, política, stf

Compartilhe: