Jornal do Brasil

Influência do jazz

Influência do jazz

Thiago Goes

Madeleine Peyroux encontra seu hino

Jornal do Brasil

Não falo de política, futebol, tampouco de religião. Não de maneira acalorada, buscando converter alguém para o que acredito. Mas, confesso, faço isso quando o assunto é jazz. Gosto, especialmente, de arrebanhar novos devotos para o ritmo. Foi assim com a minha mulher, Carolina, há oito anos. Para a conversão, claro, não posso mostrar inicialmente trabalhos complexos, como “A love supreme”, de Coltrane, ou “Kind of blue”, de Miles Davis. Existe um jazz suave, harmônico e estrategicamente cantado, que é a melhor forma de iniciação.

Macaque in the trees
Madeleine Peyroux encontra seu hino (Foto: Divulgação)


Madeleine Peyroux é uma das artistas capazes de conquistar novos fiéis para o jazz. Já foram 22 anos desde “Dreamland”, seu primeiro disco. De lá para cá, a cantora americana, nascida na Geórgia, flertou com os principais gêneros de sua raiz, como o folk, o blues e o rock, mas sem abandonar a veia jazzística, trazendo sempre uma encantadora melodia às suas composições.


Em “Anthem” (Verve Records), seu oitavo álbum, lançando mundialmente na última sexta-feira, Madeleine chegou ao ponto alto de sua carreira. Com um time de cinco compositores e 18 músicos participantes, ela se desafia, entrando e saindo dos limites do jazz, com sua voz singular e seu fraseado único.
O álbum reúne faixas que traçam um ponto de vista sombrio e provocativo sobre o estado atual de nossos tempos. “Anthem”, que dá nome ao disco, originalmente gravada por Leonard Cohen em 1992, é taxada por Madeleine como seu hino pessoal. O cantor canadense, que morreu em 2016, é uma de suas grandes inspirações.


De audição cativante e acessível (visto já na primeira faixa “On my own”), o álbum começou a ser produzido em 2016, durante as eleições americanas, tendo em sua maioria canções originais. Por isso, mescla letras que variam da amargura à esperança, em tons sarcásticos, reforçando a característica da cantora de lidar com situações políticas e do cotidiano em suas músicas.


Sempre comparada a Billie Holiday, Madeleine traz faixas como “Down on me”, que fala sobre atribulações financeiras, ou “Ghost of tomorrow”, que reflete sobre sonhos não realizados. As melodias leves de “Party time” e “Sunday afternoon” camuflam a escuridão de suas letras, em tons de resignação.


A Bossa Nova aparece em “Brand new deal” e “Last night we were young” (minha favorita), e no poema “Liberté”, de Paul Éluard, que aborda a experiência humana desde o nascimento até a morte, cantado por Madeleine a pedido de um amigo para um documentário sobre uma família com o filho em estágio terminal.
Apesar do nítido investimento em estúdio, Madeleine reforça que deixou as músicas “seguirem seu próprio caminho”, e que a mensagem principal é pela “busca do prazer enquanto é possível, já que o tempo é finito”.
Na religião de Madeleine Peyroux, menos palavras soam sempre melhor do que uma infinidade de detalhes.
Na minha, também.

Bebop

Reflexões jazzófilas Nos últimos dias, a cidade recebeu os pianistas Chucho Valdés e Gonzalo Rubalcaba, na Sala Cecília Meireles, e a premiada saxofonista Melissa Aldana, no Blue Note Rio. Estará o Rio de Janeiro voltando a ser rota dos grandes músicos internacionais do jazz?

Jazz pela cidade I O restaurante Oscar Bistrô, no Leblon, oferece trios e quartetos tocando standards jazzísticos das 20h às 23h. Reservas pelo site www.oscarbistrobar.com

Jazz pela cidade II O Smoke Lounge, na Tijuca, apresenta o “Smoke Jazz”, com Guga Pellicciotti e convidados, hoje, a partir das 19h. Informações pelo telefone (21) 3197-1975



Tags: jazz

Recomendadas para você