Jornal do Brasil

Sociedade Digital

Sociedade Digital

André Miceli

Mais um tri?

Jornal do Brasil

Tudo leva a crer que a Amazon será a próxima corporação a ser cotada por um trilhão de dólares da bolsa de valores dos Estados Unidos. Os analistas ficaram tão impressionados com os lucros da empresa no último trimestre, que o Morgan Stanley global elevou sua previsão de preço de 12 meses para a maior cotação de uma empresa Wall Street e um valor que implicaria um marco recorde para uma empresa de capital aberto.


“Acreditamos que mesmo sem a expansão da margem no varejo principal, outros negócios podem gerar um crescimento significativo nos lucros nos próximos anos”, afirmou o analista de mercado Ben Schachter. O profissional se refere, basicamente aos serviços de nuvem Amazon Web Services e ao Amazon Prime. Pode-se dizer que a AWS e a receita vinda de assinaturas estão superando as expectativas de maneira marcante. A gigante informou ontem à noite que a receita saltou 43% no primeiro trimestre. O lucro líquido mais que dobrou para US$ 1,6 bilhão, segundo a companhia.


Há apenas uma coisa que pode impedir a Amazon de manter o ritmo dos últimos trimestres, escreveu Schachter: o governo. A empresa afirma sistematicamente que sua principal preocupação continua sendo o risco regulatório e o crescente potencial de interferência política. “O sucesso contínuo da nossa iniciativa certamente atrairá mais atenção de governos em todo o mundo do que nunca”. O fundador e diretor-executivo da Amazon Jeff Bezos é de longe a pessoa mais rica do mundo, segundo o Bloomberg Billionaires Index. Seu patrimônio líquido é estimado em US$ 164 bilhões, comparado com o segundo colocado Bill Gates, da Microsoft, em US$ 98,4 bilhões, e com o terceiro colocado Warren Buffett, conhecido carinhosamente como o melhor investidor do mundo, em terceiro, com “apenas” US$ 87,1 bilhões.

Mais do mesmo

Uma foto obtida pelo site 9to5Mac é considerada a primeira imagem dos aparelhos que serão lançados em breve pela Apple. Se autêntica, ela valida os rumores de uma variante de tela maior do iPhone X, como acontece com o modelo Plus e que estará disponível também um modelo na cor dourada.


A resposta rápida para a dúvida sobre o que esperar dos novos iPhones é um processador mais robusto, uma bateria ligeiramente mais eficiente e uma maior utilização do Face ID, o software de reconhecimento facial da Apple que substituiu o sensor de impressão digital no iPhone X. Os sinais apontam para ele se tornar um recurso padrão nos modelos deste ano. Espera-se que a empresa de Cupertino venda o iPhone XS de 5,8 polegadas por US$ 800 a US$ 900 e o iPhone XS de 6,5 polegadas por US$ 900 a US$ 1.000. Antes que todos fiquem animados, vale lembrar que esse é o valor para uma operação feita nos EUA.


Os acionistas e analistas de mercado acreditam que Apple entregará cerca de 70 a 75 milhões de smartphones até o final de 2018, o que marcará o melhor desempenho de um iPhone desde o lançamento dos modelos iPhone 6 em 2014. Apenas da inegável capacidade de Cook em fazer dinheiro e agradar seus acionistas, as últimas apresentações da empresa têm sido sempre mais do mesmo e, neste caso, não era isso que você queria ouvir.

Muito confete para pouco carnaval

A Google e a Mastercard fecharam uma importante parceria comercial. A aliança deu ao Google um recurso sem precedentes para mensurar os gastos do varejo. A partir de agora será possível rastrear e, portanto, correlacionar gastos no cartão de crédito com cliques nos anúncios publicados nas páginas de resultados de uma consulta. A ação é parte da estratégia da gigante de buscas para fortalecer seu negócio principal contra ataques da Amazon, Facebook e outros concorrentes. Os próximos passos vão marcar quem é de verdade e quem é muito confete para pouco carnaval.



Recomendadas para você