Jornal do Brasil

Tom Leão

Tom Leão

Não percam, na próxima semana!

Jornal do Brasil

Com a popularização, cada vez maior, de serviços de streaming, como Netflix e Amazon, fomos nos acostumando a fazer maratonas de filmes e séries (o que os gringos chamam de “binge watching”). Porque as séries estão (quase) todas lá, completas. E os filmes podem ser vistos a qualquer momento. E tome fins de semana vendo tudo de uma vez de seu programa favorito, sem ter de esperar.

É um outro jeito de consumir produção audiovisual (o streaming de música também permite visitar discografias inteiras, de quase qualquer artista). Muito diferente de como nossos avós assistiam aos seriados nos cinemas (um capítulo por semana, antes do filme principal, durante meses!), como nossas mães assistem a novelas (um capítulo por vez, todo dia). Não há mais o cliffhanger, o momento clímax, que nos deixava pendurados (daí o nome em inglês) até a próxima semana, para ver o que aconteceria com o herói - como na série do Batman da TV e outros programas da época, anos 1960, 1970.

Macaque in the trees
Amy Adams and Chris Messina na série "Sharp objects" (Foto: Reprodução)

Daí que foi “à moda antiga” que assisti, nos últimos dois meses, à série “Sharp objects”, do HBO. Confesso que há tempos não fazia isso. Com séries curtas assim, prefiro esperar acabar, juntar e ver tudo de uma vez (como fiz com “The handmaid´s tale”, recentemente). Mas foi legal criar uma rotina de novo, como nos tempos de “Sopranos” e “Six feet under”: domingo à noite, antes de dormir, assistir a um episódio por vez. Com a vantagem de que, se bater o sono antes do final, dá para deixar gravando e arrematar no dia seguinte.

No caso de “Sharp objects” (o título, “objetos cortantes”, faz referência ao hábito da protagonista de se mutilar), fez bem. A série, sombria (pelo seu tema, assassinatos de garotas) e lenta (passada numa cidadezinha quente no Sul dos Estados Unidos, onde tudo parece parado no tempo), precisa desse timing. Até para acompanharmos a investigação da repórter Camille, ex-moradora local (Amy Adams), onde a mãe dominadora (feita por Patrícia Clarkson, excelente) exerce um certo domínio sobre todos, e irmos entendendo o modo como as coisas funcionam por ali.

Ao som de Led Zeppelin (que a protagonista ouve direto, sobretudo nos primeiros episódios) e álcool (Camille está invariavelmente bêbada), vamos tentando entender quem está matando as garotas e por que. E, ficando com gosto de quero mais, ao final de cada episódio. Não dá para pular, avançar, ver tudo de uma vez (agora, já vai dar, para quem tem HBO Go). Tem de ser desfrutado com calma, como na leitura de um livro – é adaptação de romance homônimo de Gillian Flynn, de “Gone girl/garota exemplar”.

“Emburacar” em maratona, é conveniente, não vamos deixar de fazê-lo. Principalmente, quando pegamos alguma série que não vimos na época (fiz isso com “Raising hope” e “Breaking bad”, por exemplo). Mas, também, é muito legal ficar na fissura, à espera do próximo episódio. E conversar sobre, nas redes sociais.

Chato mesmo, é ter de esperar dois anos, por uma nova temporada de “Game of thrones”, que só virá em 2019. Aí, já é tortura.

Rugidos

Um site de streaming americano, o VRV, está exibindo séries dos 90s, do Nickelodeon, como “Kenan & Kel”, “Clarissa”, ‘Doug” e “Rocko”. Pena que, “Ren & Stimpy”, ficou de fora.

O diretor do YouTube, Luke Hyams, anunciou que a plataforma irá lançar 50 (!) produções próprias, em seu serviço premium, em 2019. A concorrência com o Netflix será pesada.

O ‘oscarizado’ Ben Kingsley, é mais um que está indo para a TV. Ele vai protagonizar “Our lady, LTD”, para o canal pago premium Epix.

A Disney Media, está produzindo uma minissérie sobre o boxeador argentino Carlos Monzón, que será exibida pelo canal Space.



Tags: tom leão

Recomendadas para você