Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Março de 2017

Colunistas - Comunidade em pauta

Carnaval e lixo não combinam

Jornal do BrasilWalmyr Junior

O carnaval poderia ser muito mais feliz se não fossem os milhões de toneladas de lixo que a festa gera. Apesar de vermos o carnaval como o tempo da alegria e daquele encanto, a cultura da poluição e do ‘jogar lixo na rua’ não é positivo para a imagem das nossas cidades e condena os biomas locais

Só na folia carioca, de sexta de carnaval até a tarde de Quarta de Cinzas, a Comlurb retirou 700 toneladas de lixo das ruas do Rio. Em Salvador foram mais de 1.800 toneladas de resíduos recolhidos durante o Carnaval. Na cidade de São Paulo, as equipes de limpeza da Prefeitura recolheram 643,3 toneladas. 

Os foliões que saíram em blocos, bailes, festas de rua e Sambódromos Brasil afora precisam se conscientizar. A poluição no carnaval, apesar de gerar renda para os trabalhadores de cooperativas de reciclagem, gera muita sujeira nas cidades, poluem os lençóis freáticos, rios, praias e oceanos. 

A sociedade como um todo deve fazer uma profunda reflexão sobre os impactos ambientais gerados pela folia. Só para limpar as ruas de São Paulo foram gastos 2.394 metros cúbicos de água e mais de 26 mil litros de desinfetante. 

Os blocos do Rio de janeiro que, segundo a Comlurb, mais geraram lixo são Bola Preta (28,7t), Giro do Arar (10,2t), Orquestra Voadora (8,27t), Banda de Ipanema (3,9t) Empurra Que Eu Pego (2,4t).

Em todo o carnaval, se gastam milhões com a limpeza das cidades. Gastos esses com funcionários, material de limpeza, descartes, e muita água. Se todo esse recurso fosse investido em saúde, educação e a outros serviços básicos, e o ‘não poluir’ virasse o jargão do folião, o carnaval seria mais belo. 

*Walmyr Junior é morador de Marcílio Dias, no conjunto de favelas da Maré, é professor, membro do MNU e do Coletivo Enegrecer. Atua como Conselheiro Nacional de Juventude (Conjuve). Integra a Pastoral Universitária da PUC-Rio. Representou a sociedade civil no encontro com o Papa Francisco no Theatro Municipal, durante a JMJ

Tags: Artigo, comunidade, júnior, pauta, walmyr

Compartilhe: