Jornal do Brasil

Domingo, 19 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Economia

Aversão ao risco com sangria da lira turca faz mercados fecharem em baixa em NY

Jornal do Brasil

O mau humor generalizado em meio ao derretimento da lira turca ante o dólar não poupou os mercados acionários em Nova York, que fecharam em baixa no pregão desta sexta-feira, 10. O desempenho dos índices Dow Jones e S&P 500 determinou uma migração para o negativo no acumulado da semana. Nas bolsas nova-iorquinas, pesou não só o recrudescimento geopolítico a partir do desgaste nas relações entre os aliados militares Estados Unidos e Turquia como reportagem do Financial Times dando conta de preocupações no Banco Central Europeu (BCE) sobre a exposição de instituições financeiras da zona do euro a ativos turcos, o que repercutiu negativamente em bancos americanos.

O índice Dow Jones encerrou em baixa de 196,09 pontos (-0,77%), aos 25.313,14 pontos, com recuo semanal de 0,59%. O S&P 500 perdeu 20,30 pontos (-0,71%), aos 2.833,28 pontos, cedendo 0,25% no acumulado semanal, e o Nasdaq teve queda de 52,67 pontos (-0,67%), para os 7.839,11 pontos, mas subiu 0,35% na semana.

A visão sobre ativos turcos já era bastante negativa com o relato do FT e um discurso em que o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, descartou uma elevação da taxa básica de juros para conter a inflação galopante. Foi aí que o presidente americano, Donald Trump, revelou pelo Twitter ter autorizado subordinados a dobrar as tarifas sobre a importação de aço e alumínio da Turquia, para 50% e 20%, respectivamente.

Além da perspectiva de mais um baque para o comércio global - ainda que simbólico, dada a baixa relevância da economia turca nesse âmbito -, o relato de preocupação no BCE com a exposição de bancos como BBVA, UniCredit e BNP Paribas a ativos turcos repercutiu negativamente no setor financeiro dos EUA. As ações do Morgan Stanley caíram 2,12%, as do Goldman Sachs perderam 1,78% e as do Bank of America Merril Lynch cederam 1,30%.

Apesar do clima de tensão nesta sexta-feira, alguns analistas ainda permanecem otimistas sobre as bolsas nova-iorquinas. Com balanços trimestrais de 91% das companhias listadas no S&P 500 já divulgados, o índice está a caminho de contabilizar o segundo ritmo mais rápido de expansão de lucros desde o terceiro trimestre de 2010, de acordo com o FactSet.

"Fora a guerra comercial, praticamente tudo está se alinhando positivamente", disse o estrategista do BTIG Julian Emanuel.



Compartilhe: