Jornal do Brasil

Domingo, 19 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Rio - Eleições 2018 - Rio

Tempo de TV só vai sair no último minuto

Distribuição oficial do horário eleitoral gratuito será decidida somente com o registro das chapas

Jornal do Brasil SÔNIA APOLINÁRIO, sonia.apolinario@jb.com.br

Na correria e com algum improviso, o Partido Democrático Trabalhista (PDT) fechou, ontem, a chapa em torno da candidatura de Pedro Fernandes ao governo do Estado do Rio de Janeiro. O deputado Dr. Julianelli (PSB) foi escolhido como vice. Para o Senado, o candidato será José Bonifácio, vice-presidente regional do partido e ex-prefeito de Cabo Frio.As indefinições em torno de um acordo nacional em prol da candidatura de Ciro Gomes para a Presidência da República causaram o atraso na formação da chapa no Rio de Janeiro. Reviravoltas nos acordos que estavam sendo alinhavados em São Paulo, Pernambuco e Minas Gerais descosturaram alianças fluminenses. A candidatura de Pedro Fernandes é considerada estratégica para que o candidato pedetista à Presidência da República, Ciro Gomes, tenha “palanque” no Rio de Janeiro.

Tempo de TV de cada candidato

Na sexta-feira dia 3, com a presença do próprio Ciro Gomes, o PDT/RJ realizou sua convenção e confirmou apenas a candidatura de Pedro Fernandes para a disputa pelo Palácio Guanabara. Seu vice, Dr. Julianelli, é natural de Campos dos Goytacazes. Em 1994, como médico infectologista, compôs o corpo médico da Força de Paz da ONU durante a Guerra Civil de Angola. Ele já fez parte do PSOL. Em 2015, o candidato ao Senado pelo PDT, José Bonifácio, foi condenado à revelia pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) a devolver aos cofres públicos R$ 6.474.073,06 (2.387.283,11 Ufir-RJ), por supostas irregularidades no recolhimento de impostos, quando era prefeito de Cabo Frio. 

Por trás da luta por alianças está o tempo de televisão que os candidatos terão para suas campanhas. A propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão  começa em 31 de agosto e vai até 4 de outubro. No segundo turno, vai do dia 12 de outubro até 26 de outubro. No primeiro turno, as emissoras de rádio e televisão veicularão dois blocos diários de 25 minutos. Se houver segundo turno, serão dois blocos diários de 10 minutos. Como a maioria das legendas ainda não registrou as respectivas chapas decididas nas convenções, o que pode ser feito até o próximo dia 15, os partidos ainda trabalham com uma estimativa do tempo que terão na televisão. 

Com uma coligação formada por 12 partidos, o DEM, do ex-prefeito e candidato ao governo Eduardo Paes, terá o maior tempo de televisão. Especula-se que serão cerca de 7 minutos. No último momento, o PROS trocou o PRP. Com isso, Garotinho terá menos do que os 6 minutos com os quais estava contando, enquanto Wilson Witzel (PSC) chegou a 1 minuto de exposição.

Como é feito o cálculo

O tempo que o candidato terá direito de propaganda gratuita na TV vai depender da representatividade do seu partido no Congresso, como explicou o advogado especializado em eleições Lucas Bessoni Coutinho Magalhães.

Do total do tempo disponibilizado, 90% são divididos proporcionalmente em relação à representatividade partidária. Os 10% restantes são divididos igualmente entre partidos que não têm representação no Congresso.

“Quantos mais membros tem uma coligação, mais tempo o candidato terá, porque eles juntarão os tempos a que seus partidos têm direito pela cota da represenatividade”, explicou o advogado.



Tags: alianças, candidatos, eleições, horário eleitoral, rio

Compartilhe: