Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Março de 2017

Jazz

Joshua Redman e Brad Mehldau: A arte do duo

Luiz Orlando Carneiro

A arte do duo na base da improvisação - do aqui e agora do jazz, sem o apoio usual da bateria e do contrabaixo - exige dos músicos não só muita técnica e ótimos ouvidos mas também um entendimento quase telepático. Quem tem acesso ao Spotify pode, a qualquer momento, deliciar-se com registros memoráveis de duplas formadas por saxofonistas ou trompetistas com pianistas, dentre os quais destaco: People Time (Verve), Stan Getz e Kenny Barron, ao vivo, no Café Monmartre, Copenhague, 1991; Diane (Steeplechase), Chet Baker e Paul Bley, 1986; Duo em noir (Between the Lines), Enrico Rava e Ran Blake, gravado ao vivo em Frankfurt, 1999.

O saxofonista Joshua Redman e o pianista Brad Mehldau – eminentes jazzmen, quarentões no topo de suas carreiras – iniciaram, no último dia 12 de outubro, uma turnê em duo que começou na Ásia (Japão, China), passou pela Austrália, e continua pelas principais capitais da Europa Ocidental até meados de novembro. Há cinco anos, essa dupla promoveu, também sem acompanhantes, uma série de apresentações em cinco países europeus: Espanha, Suíça, Holanda, Alemanha e Noruega.

Nonesuch lança CD "Nearness", com apresentações ao vivo do saxofonista e do pianista na Europa
Nonesuch lança CD "Nearness", com apresentações ao vivo do saxofonista e do pianista na Europa

Aproveitando o reencontro a sós de Redman e Mehldau, a etiqueta Nonesuch vem de lançar o álbum Nearness, título que ressalta a intimidade e a afinidade que eles têm, numa seleção de seis extensas faixas gravadas durante aquele giro europeu de 2011.

O saxofonista (tenor e soprano) começou a ganhar renome em 1991 quando, aos 22 anos, venceu a Thelonious Monk International Jazz Saxophone Competition, sendo os outros finalistas os hoje também ilustres Eric Alexander e Chris Potter. Entre 2007 e 2010, Joshua Redman consagrou-se definitivamente em três CDs gravados também pela Nonesuch: Back East, no comando de três trios sem piano; Compass, em trios e double trios; e James Farm – quarteto cooperativo com Aaron Parks (piano), Matt Penman (baixo) e Eric Harland (bateria).

O extraordinário pianista Brad Mehldau apresentou suas credenciais nos três primeiros álbuns da série The Art of the Trio, do selo Warner (1996-98) – dos quais o segundo ao vivo, no Village Vanguard – na companhia dos fieis Larry Grénadier (baixo) e Jorge Rossy (bateria). Entre 2002 e 2014 gravou 15 álbuns para a Nonesuch, em trio, duo ou solo.

O duo Redman-Mehldau versão 2011, só agora documentado no CD Nearness – já disponível nas lojas virtuais – improvisa a partir de seis temas, em longas divagações e trocas de ideias: Ornithology (8m40), a célebre composição de Charle Parker baseada nos acordes de How high is the moonIn walked Bud (9m55), de Thelonious Monk; a balada The nearness of you(16m45), de Hoagy Carmichael; Always August (10m55) e Old West (14m40), de Brad Mehldau; Mehlsancholy mode(12m40), de Joshua Redman.

Um crítico inglês escreveu, com propriedade, que “a arte pianística de Mehldau é, ao mesmo tempo, virtuosística e divertida, cerebral e matreira”. E que “seus concertos e álbuns, frequentemente, descambam para territórios inesperados – Beatles e Brahms, e até ocasionais surpresas funk ou drum'n'bass – embora sempre mantendo um rigoroso comando técnico”.

Por sua vez, o saxofonista Joshua – filho do tenorista free Dewey Redman, que foi partner de Ornette Coleman – teve esmerada formação em matéria de estudos sociais (Harvard University) e, obviamente, de música. Ele é um neo-clássico sempre em busca de um equilíbrio entre liberdade e estrutura, como admite em entrevista a Josef Woodard na última edição da revista Downbeat (novembro 2016, pgs. 37-39).

Sobre o seu parceiro, o saxofonista afirma ser Mehldau “certamente um dos músicos de quem me sinto mais próximo”. E acrescenta: “Há entre nós, em termos musicais, química e empatia reais. Temos sempre o desejo de interagir e conversar dentro da música”.

Mas no CD Nearness, há espaço bastante para divagações dos dois músicos fora de série, incluindo uma cadenza de quase quatro minutos do saxofonista tenor na parte final de The nearness of you, a faixa mais longa da setlist.

Joshua Redman toca preferencialmente sax tenor, mas sopra o sax soprano em Always August e em Old West.

(A faixa Ornithology pode ser ouvida em: soundcloud.com/internationalmusicnetwork/ornithology)

Tags: Artigo, coluna, jazz, JB, luiz, orlando

Compartilhe: