Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Março de 2017

Jazz

O jazz subversivo do MOPDTK

Luiz Orlando Carneiro

Mostly Other People Do The Killing (MOPDTK) é o subversivo nome do quarteto formado pelo baixista-compositor Moppa Elliot, há mais de 10 anos, na companhia de Jon Irabagon (saxofones), Peter Evans (trompete) e Kevin Shea (bateria).

O adjetivo subversivo é bem apropriado para qualificar o produto musical do conjunto: um jazz bem free, mas a partir de uma metamorfose surpreendente, muito inventiva, às vezes irônica, do jazz tradicional, particularmente dos estilos dixieland e swing. Um “post-modern take on the tradition”, para usar um comentário do crítico Troy Collins.

Jon Irabagon passou a ser o solista de maior projeção do grupo desde que, em novembro de 2008, quando tinha 29 anos, venceu a Thelonious Monk Competition – o mais importante concurso internacional aberto a jovens talentos, cada ano dedicado a um instrumento habitual no jazz. Naquela ocasião, o músico de ascendência filipina, radicado em Nova York, foi premiado por um júri integrado por cinco mestres do saxofone: Wayne Shorter, Jimmy Heath, Greg Osby, Jane Ira Bloom e David Sanchez.

Loafer's Hollow é o novo CD do agora septeto liderado por Moppa Elliot
Loafer's Hollow é o novo CD do agora septeto liderado por Moppa Elliot

A novidade é que o MOPDTK reaparece como septeto no recém-lançado álbum Loafer's Hollow (Hot Cup Records). Do quarteto original, além do líder Elliott, permanecem no combo ampliado Jon Irabagon (saxes tenor e sopranino) e o baterista Kevin Shea. Para o lugar de Peter Evans foi escalado o imprevisível Steven Bernstein (trompete e slide trumpet), que criou a banda Sex Mob, no fim da década de 1990, nas noites conspiratórias do clube Knitting Factory, sob a égide do incrível John Zorn. Completam o septeto Dave Taylor (trombone baixo), Ron Stabinsky (piano) e Brandon Seabrook (banjo e efeitos eletrônicos).

Loafer's Hollow reúne oito faixas, todas assinadas por Moppa Elliot, começando por Hi-Nella (4m30), na qual Bernstein tem destaque em solo malabarístico, depois de uma apresentação temática caricata do estilo swing, com aquecimento vigoroso da seção rítmica, incluindo efeitos eletrônicos de Seabrook. Bloomsburg/For James Joyce (4m40) faz mesmo jus ao título, pelo tratamento meio surrealista apropriado àquele dia na vida de Leopold Bloom que gerou Ulisses – a volumosa e polêmica obra-prima de Joyce. O sax tenor de Irabagon reverencia Lester Young em Honey hole (3m45), peça que faz saudosas referências ao jazz de Nova Orleans da década de 1920. Kilgore (7m50), por sua vez, é dedicada por Elliot ao personagem de mesmo nome do ficcionista Kurt Vonnegut (1922-2007), com excêntricas intervenções do sopranino de Irabagon e do piano à la Cecil Taylor de Stabinsky. Na última faixa, Five (5m10), estes dois também se destacam em improvisações bem freee irreverentes, com a adesão dos demais membros da banda.

As faixas de Loafer's Hollow são como peças de um quebra-cabeça que vão sendo compatibilizadas aos poucos, com a exigência de muita atenção, para formar um painel musical atraente e muito original.

(A faixa Hi-Nella pode ser ouvida em: soundcloud.com/bk-music-pr/hi-nella-mopdtk)

Tags: Artigo, coluna, jazz, JB, luiz, orlando

Compartilhe: