Jornal do Brasil

Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

Esportes - Olimpíada 2016

Olimpíadas e Paralimpíadas no Brasil: relembre 15 momentos marcantes dos Jogos

Agência Brasil

Em um ano que termina triste para o esporte, com a morte dos atletas da Chapecoense em um acidente aéreo na Colômbia, nos Jogos Olímpicos, em casa, o Brasil fez a melhor campanha de sua história. Foram 19 pódios e o 13º lugar no quadro de medalhas. O recorde de ouros para o país em Jogos Olímpicos foi quebrado com a conquista de sete medalhas de ouro, além de seis pratas e seis bronzes.

No entanto, a meta estabelecida pelo Comitê Olímpico Brasileiro de ficar entre os 10 primeiros do ranking não foi atingida. Já nos Jogos Paralímpicos, que ocorreram entre os dias 7 e 18 de setembro, o Brasil ficou em oitavo lugar com 72 medalhas no total. Foram 14 de ouro, 29 de prata e 29 de bronze. Mesmo sem atingir as metas previstas, tanto pelo Comitê Olímpico quanto pelo Paralímpico, os jogos ficaram marcados por histórias e disputas emocionantes que cativaram o mundo.

Relembre 15 momentos que marcaram as Olimpíadas e Paralimpíadas no Brasil:

Público se encanta com abertura da Rio 2016

A cerimônia de abertura das Olimpíadas, o maior evento esportivo do planeta, realizado pela primeira vez na América do Sul, rapidamente se tornou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais. Brasileiros e estrangeiros elogiaram a beleza das apresentações de dança e das participações de cantores nacionais, como Paulinho da Viola, que tocou ao violão o Hino Nacional, bem como a presença da modelo brasileira Gisele Bündchen.

Cerimônia da abertura foi elogiada ao redor do mundo
Cerimônia da abertura foi elogiada ao redor do mundo

Projeções e luzes foram os principais recursos utilizados no espetáculo, dirigido por Daniela Thomas, Andrucha Waddington e Fernando Meirelles. O voo do 14 Bis sobre o Rio de Janeiro, a transformação da floresta em um país tomado por plantações e grandes cidades e os traços arquitetônicos de Oscar Niemeyer no caminho da “Garota de Ipanema" Gisele Bündchen foram muito aplaudidos. O momento da entrada das delegações também animou a plateia – dentro e fora do estádio.

Isaquias Queiroz é o 1º  brasileiro a ganhar três medalhas na mesma edição dos Jogos Olímpicos

Ao conquistar três medalhas em uma mesma edição de Jogos Olímpicos, Isaquias Queiroz colocou o seu nome na história do esporte brasileiro e da canoagem. Ele tornou-se o primeiro atleta brasileiro a ganhar três medalhas em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos. Isaquias Queiroz levou uma prata inédita na categoria C1 1000m, um bronze no C1 200m e mais uma prata no C2 1000m, ao lado de Erlon de Souza.

Phelps se despede das piscinas com cinco ouros no Rio

Na Rio 2016, o público pode ver de perto a performance de superatletas, como o nadador americano Michael Phelps. O astro das piscinas fechou com chave de ouro a participação em sua última Olimpíada: levou cinco ouros e uma prata nesta edição, totalizando 28 medalhas na carreira. Dos seus 31 anos de idade, 24 foram dedicados ao esporte.

Bolt conquista nona medalha olímpica de ouro na Rio 2016 e se aposenta

Bolt se igualou ao americano Carl Lewis e ao finlandês Paavo Nurmi como recordista em vitórias no atletismo
Bolt se igualou ao americano Carl Lewis e ao finlandês Paavo Nurmi como recordista em vitórias no atletismo

O atleta jamaicano Usain Bolt é o único tricampeão dos 100m, 200m e do revezamento 4 por 100m na história dos jogos olímpicos. Com a conquista das três medalhas de ouro nos Jogos do Rio 2016, o jamaicano igualou-se ao norte-americano Carl Lewis e ao finlandês Paavo Nurmi como recordista em número de vitórias no atletismo olímpico. Mesmo com o feito histórico, ele não conseguiu bater a própria marca nos 200 metros rasos: o recorde mundial de 19s e 19 centésimos, que foi conquistado no mundial de Berlim, em 2009. Bolt disse que esta foi sua última olimpíada e que está se aposentando das pistas.

Rio 2016 trouxe visibilidade à causa LGBT

Entre os episódios que marcaram a Rio 2016 e sua proximidade com as causas da comunidade LGBT estão desde pedidos de casamento, até homenagens e demonstrações de afeto entre os atletas de diferentes modalidades.

Ainda no revezamento da tocha, a transexual Laerte, cartunista e chargista, participou do evento. De bicicleta, a modelo transexual Lea T. esteve à frente da delegação brasileira durante a cerimônia de abertura no estádio do Maracanã.

Outro momento especial aconteceu quando Marjorie Enya, voluntária na Rio 2016, pediu em casamento a namorada, Izzy Cerullo, atleta da equipe brasileira de rugby. Primeira medalhista de ouro do Brasil na competição, a judoca Rafaela Silva, falou abertamente sobre a importância da namorada, Thamara Cezar, em sua trajetória.

Brasil vence Itália e conquista terceiro ouro olímpico no vôlei masculino

O vôlei masculino conquistou em casa o tricampeonato olímpico, quando venceu a Itália na final por 3 x 0 no Maracanãzinho lotado de torcedores. Com o título, Serginho, aos 40 anos, conseguiu sua quarta medalha olímpica. O time de Bernardinho quase foi eliminado na primeira fase e sofreu com lesões ao longo da Olimpíada, mas se superou e fez história.

Brasil vence Alemanha e conquista primeiro ouro olímpico do futebol

Para amenizar a decepção dos brasileiros com a terrível memória dos 7 a 1 sofridos na partida contra a Alemanha na Copa do Mundo 2014, a seleção ganhou um ouro inédito nos Jogos Olímpicos. A seleção, liderada por Neymar, bateu a Alemanha nos pênaltis na final.

O título veio na quinta bola chutada por Neymar, após o goleiro Weverton ter defendido o pênalti cobrado pelo jogador alemão. A perseguição ao ouro olímpico, último grande título internacional que faltava ao Brasil no futebol, ganhou contornos de obsessão nas últimas décadas, sentimento que foi enterrado nestes Jogos Olímpicos, com o elenco jogando em casa.

Robson Conceição vence francês e ganha o primeiro ouro para o boxe do Brasil

O brasileiro Robson Conceição fez história aos 27 anos e conquistou a primeira medalha de ouro do boxe brasileiro em olimpíadas e o terceiro ouro do Brasil na Rio 2016. Por decisão unânime dos juízes, o lutador baiano derrotou o francês Sofiane Oumiha na categoria peso ligeiro, até 60 quilos.

Na sua terceira Olimpíada – ele foi 17° em Pequim e em Londres – Conceição superou a pobreza e as dificuldades vividas na infância para subir ao lugar mais alto do pódio na Rio 2016.

Torcedores lotam Parque Olímpico e apoiam Paralimpíadas

Segundo balanço da prefeitura do Rio de Janeiro, entre 5 e 21 de agosto, durante os Jogos Olímpicos, a capital carioca recebeu 1,170 milhão de turistas, sendo 410 mil estrangeiros. Se em um primeiro momento os ingressos das Paralimpíadas encalharam, durante o evento o público deu um show de apoio aos ateltas. No primeiro fim de semana dos jogos, cariocas aproveitaram o fim de semana para desfrutar do clima da Paralimpíada e torcer para o Brasil em várias modalidades. Compareceram 167 mil pessoas, segundo o comitê organizador dos Jogos.. Somando todas as praças esportivas, o público ultrapassou 250 mil pessoas. Nem na Olimpíada houve tanta movimentação em um só dia.

Torcida brasileira anima e causa polêmica

A postura da torcida brasileira incomodou atletas estrangeiros durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Barulho excessivo durante algumas competições e, principalmente, vaias, foram queixas de atletas de modalidades como natação, tênis de mesa e basquete.

Por outro lado, a torcida também “adotou” alguns atletas estrangeiros e comoveu equipes. No jogo entre o tenista sérvio Novak Djokovic e o argentino Juan Martin Del Potro, os brasileiros támbém fizeram barulho, adotaram o sérvio como preferido e comoveram Djokovic, número 1 do ranking mundial, com o carinho.

Já no Mineirão, em Belo Horizonte, o público pegou no pé da goleira norte-americana Hope Solo, gritando "zika" toda vez que ela ia chutar a bola, em resposta à foto que Hope Solo postou nas redes sociais antes de vir ao Brasil, vestindo uma máscara de grandes proporções para se proteger do mosquito Aedes aegypti, transmissor da zika, dengue e febre chikungunya.

Seleção feminina de futebol conquista brasileiros

Com os tropeços da seleção masculina na primeira fase dos jogos, o público voltou os olhos para as meninas, que jogaram um bolão em todas as primeiras partidas, com direito a goleadas como a registada contra a Suíça (5 a 1). Após a derrota para o Canadá na disputa pelo bronze olímpico, a seleção feminina de futebol deixou o campo da Arena Corinthians, na zona leste paulistana, chorando.

A reação do público, no entanto, superou as expectativas do técnico do time, Vadão. “Fiquei assustado e impressionado, porque, embora a gente não tivesse conquistado a medalha de ouro, tínhamos conquistado o coração do povo brasileiro, sejam homens ou mulheres. Foi um ponto importantíssimo dessa Olimpíada”, considerou o treinador na ocasião.

Márcia Malsar carrega a tocha na abertura da Paralimpíada e emociona o público

O mundo todo se emocionou com a imagem da ex-atleta paralímpica Márcia Malsar carregando a tocha na abertura da Paralimpíada do Rio de Janeiro. Muitos ainda não conheciam a história de Márcia, que foi a primeira atleta brasileira a conquistar uma medalha de ouro em uma paralimpíada - em 1984, nos 200m rasos.

Com paralisia cerebral, Márcia Malsar recebeu a tocha do atleta Antônio Delfino de Souza, medalhista do atletismo em Atenas (2004). Ela percorreu alguns metros com a tocha na mão, amparada por uma bengala. Como chovia muito naquela noite, Márcia se desequilibrou e caiu no chão, mas rapidamente levantou-se, sob aplausos do público.

Brasileiros bateram 11 recordes na Paralimpíada 2016

O atletismo brasileiro conquistou quebras de recordes mundiais e paralímpicos durante os Jogos da Rio 2016. Das 11 marcas estabelecidas por brasileiros, todas são de modalidades do esporte. No revezamento 4x100m T11-T13, Diogo Ualisson, Gustavo Araújo, Daniel Mendes e Felipe Gomes lideraram a prova de ponta a ponta e bateram o recorde paralímpico do revezamento com o tempo de 42 segundos e 37 centésimos, levando o ouro. Claudiney Batista conquistou o ouro no lançamento de disco classe F56, no Estádio Olímpico (Engenhão), no Rio de Janeiro. Com a distância de 45,33m, o brasileiro bateu também o recorde paralímpico.

Nadador se tornou o maior medalhista paralímpico na história
Nadador se tornou o maior medalhista paralímpico na história

No arremesso de disco F11, Alessandro Silva foi medalha de ouro com o recorde paralímpico de 43,06m. Rodrigo Parreira estabeleceu o recorde paralímpico no salto em distância. Outro que voou na pista foi Daniel Martins nos 400m T20: ele garantiu o ouro e marcou o recorde mundial com o tempo de 47segundo e 22 centésimos.

Na classe T53 dos 100 metros, o recorde paralímpico foi estabelecido por Ariosvaldo Silva, o Parré, que marcou 14 segundos e 69 centésimos. Apesar do tempo estabelecido, o atleta ficou em quarto na final e foi desclassificado nos 400m T53 por ter invadido a raia ao seu lado na pista. Petrucio Ferreira nos 100m T47, levou o ouro e ainda marcou dois recordes mundiais de 10 segundos e 57 centésimos e 10 segundo e 67 centésimos. Verônica Hipólito levou a prata nos 100m T38 e marcou o recorde paralímpico com 12 segundos e 84 centésimos.

Iraniano bate recorde mundial três vezes e levanta 310kg

O halterofilista iraniano Siamand Rahman prometia romper a mítica barreira dos 300kg muito antes de começarem os Jogos. Chegou o dia e Siamand não decepcionou e ainda foi além. Em 14 de setembro, ele bateu seu próprio recorde mundial (296kg) três vezes e estabeleceu uma nova marca- 310kg - que os amantes do esporte acreditam que vai durar muitos anos.

Brasil salta do 26º para 23º em quadro de medalhas histórico das Paralimpíadas

Se o oitavo lugar alcançado pelo Brasil no quadro geral de medalhas dos Jogos Paralímpicos deste ano não satisfez a meta proposta pelo Comitê Paralímpico Brasileiro, pelo menos fez com que o país melhorasse de posição no quadro histórico de medalhas nas Paralimpíadas. As 14 medalhas de ouro conquistadas no Rio fez o Brasil saltar do 26º para o 23º lugar. Ao todo, o país soma 87 medalhas de ouro em toda a história das Paralimpíadas. A marca fez o país ultrapassar Suíça, Bélgica e Finlândia. A liderança geral continua com os Estados Unidos. Apesar de ter ficado em 4º lugar no Rio de Janeiro, os norte-americanos têm, agora, 771 medalhas de ouro.

Tags: 2016, esporte, olimpíadas, paralimpíadas, retrospectiva

Compartilhe: