Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Agosto de 2018 Fundado em 1891
Tom Leão

Colunistas - Tom Leão

A turma do Archie, de novo, entre nós

Jornal do Brasil

Netflix mandou avisar que a série “O mundo sombrio de Sabrina” chega no serviço internacional de streaming em outubro, mais precisamente no dia 26. Mas quem é Sabrina? É aquela jovem feiticeira da Turma do Archie, lembra? Não? Então, vamos recapitular:

Tudo começou com “The Archie show”, série em desenho animado da Filmation, que estreou em 1968, nos Estados Unidos. Na verdade, a gênese da turma é mais antiga. Vem dos gibis, com os personagens criados por Bob Montana, em 1941. Mas foi com o desenho musical, que veio na aba do sucesso dos Beatles e dos Monkees, que a turma do Arquibaldo (como se chamava nos quadrinhos aqui) deixou de ser um segredo dos tempos de inocência americanos e se tornou conhecido mundialmente. Os desenhos para TV do Archie, foram produzidos até 1978, e, nesse meio tempo, deram origem a um spin-off (“Josie e as gatinhas”, pela Hanna-Barbera) e lançou personagens secundários ao estrelato, o caso da feiticeira Sabrina.

Mas o que fez tudo acontecer mesmo, e tornou a fictícia banda do Archie num sucesso mundial, foi o estouro, no verão de 1969, da canção “Sugar, sugar”, que entrou nas paradas de diversos países (Brasil, inclusive) e forçou a criação de uma banda de carne e osso, que aparecia fazendo playback em programas de TV da época. E até turnês! Em todos os episódios para a TV, havia um segmento com a música da semana. Mas nenhuma chegou tão longe.

Os desenhos para TV do Archie foram produzidos até 1978

No papel, a turma do Archie era formada por adolescentes, na casa dos 17 anos, que estavam na high school. São eles: o ruivo e gente boa Archie (cantor, guitarrista e letrista da banda), a curvilínea morena Veronica Lodge (segunda voz e teclados), a loura Betty Cooper (paixonite de Archie, no pandeiro), Regis Mantle (baixista e, de certa forma, rival de Archie) e o baterista Moleza/Jughead Jones, espécie de primo do Salsicha da turma do Scoby-Doo, pois vivia numa larica infindável.

Mas e a Sabrina? Depois de aparecer como coadjuvante, na turma do Archie, ganhou a sua própria série animada, “Sabrina, the teenage witch”, que rolou entre 1971-74. Paralelamente, tanto os gibis do Archie, quanto os de Sabrina, continuavam sendo lançados. Contudo, após longo hiato, Sabrina só daria as caras de novo na TV numa série live action (com atores de verdade), estrelada por Melissa Joan-Hart (que ficou famosa com um programa bacaninha da Nickelodeon, “Clarissa explica tudo”). A série de Sabrina fez muito sucesso e ficou no ar entre 1996-2003, exibida aqui pela Globo.

Outro pulo no tempo e o canal CW lança a série “Riverdale”, em 2016, que retoma a turma do Archie. Só que, num tom dark e realista, como nunca vimos antes. E, nos dias atuais, com atores de verdade. Fez um tremendo sucesso. Tanto que está em sua terceira temporada e deu chance para a criação da nova série sombria com Sabrina. Agora, ela será encarnada por Kiernan Shipka (a filha do casal Don-Betty Draper, na série de sucesso “Mad men”). O curioso é que, em vez de sair pelo canal aberto CW, virá via Netflix.

Rugidos

Antes de Riverdale ter chegado à TV, a turma do Archie já havia ganhado um reboot, nos quadrinhos, em 2015, que inspirou a série live action. Agora, os seis primeiros capítulos destas HQs serão animados e exibidos na plataforma de streaming musical Spotify. Vários outros conteúdos do tipo, estão a caminho.

Como tem feito com produções de outras companhias, a Netflix “adotou” a versão de “Mowgli”, de Andy Serkis, da Warner. O longa teve seu lançamento cancelado nos cinemas por conta da proximidade com “O livro da selva” da Disney, lançado há dois anos com muito sucesso. Serkis também irá adaptar, para Netflix, o satírico livro “A revolução dos bichos” (”Animal farm”), de George Orwell.



Tags: archie, netflix, riverdale, streaming, série

Compartilhe: