Jornal do Brasil

Informe JB

Informe JB

Jan Theophilo

Reinações de Lindbergh

Jornal do Brasil

A divulgação anteontem de um manifesto pela aliança entre PT e PSOL para o Senado foi, para muita gente, a gota d’água das traquinagens que o senador Lindbergh Farias tem feito no Rio para tentar preservar seu mandato a qualquer custo. A ideia do documento surgiu semana passada de uma conversa entre os deputados Jean Willys e Wadih Damous. Mas a direção do PSOL sempre olhou com desconfiança para a proposta. Lindbergh, na avaliação do PSOL, quer o apoio de Chico Alencar entre o eleitorado clássico do PT na Zona Sul, mas não leva o aliado para agendas na Baixada, seu reduto eleitoral. No PT, a grita começa a ficar maior. A militância já enxergou as digitais de Lindbergh na escolha da estapafúrdia candidata do partido ao governo. Ela, dizem hoje os petistas, não entrou no jogo sequer para disputar, mas apenas para ajudar a campanha de Lindbergh à reeleição. O problema é que seu discurso tem apavorado a base petista, ao ponto do ex-prefeito Saturnino Braga classificá-la como uma “escolha tosca”. Dias atrás, o jornalista Lauro Jardim publicou em seu blog que Lindbergh teria fechado um acordo com Eduardo Paes. Ele não falaria mal do ex-alcaide na Baixada e em troca Eduardo trabalharia por uma dobradinha Lindbergh/Cesar Maia. O senador limitou-se a responder que sua candidata ao governo era a escolhida pelo PT. A ausência de uma negativa peremptória da parte dele deixou cabreira muita gente de esquerda que tem tempo de janela e já viu de muito um tudo nessa vida.

A chave do tamanho


Nas últimas eleições, o PT elegeu cinco deputados. Os dois mais votados, Alessandro Molon e Chico D’ângelo deixaram o partido. Sobraram Benedita da Silva, Luiz Sérgio e Fabiano Horta. Nenhum dos três teve mais de 50 mil votos. Agora, coligados ao PC do B que tem Jandira na chapa, a turma do PT acordou para o fato que se bobear, o partido não consegue sequer reeleger os três. Todos os acordos até agora só beneficiam e vão beneficiar Lindbergh Farias.

Cidades mortas


Vale lembrar que a aproximação entre Lindbergh e os Maias não é nenhuma novidade. Em meados dos anos 2000, quando o velho PFL mudou de camisa e virou DEM, Cesar Maia, muito antes do pessoal do Partido Novo, veio com essa conversa de “onda laranja”. A cor, oficialmente inspirada pela simpatia dos cariocas com os garis da Comlurb, significaria um novo movimento na política nacional.

Ideias de Jeca Tatu


Curiosamente, o até então considerado ultra-esquerdista Lindberg embarcou na onda laranja. Até o time de futebol da cidade, criado em sua gestão, passou a entrar em campo vestido de cenoura.

Narizinho arrebitado


Dentro do PT a postura agressiva de Linberg contrasta com a da presidente do partido, Gleisi Hofman. Ela, em vez de forçar a barra para se reeleger ao senado, recuou e optou por disputar uma vaga na Câmara.

Serões de Dona Benta


Pra quem bate no peito e se diz honesto, Jair Bolsonaro mentiu pelo menos três vezes anteontem durante a entrevista no JN. Inventou um seminário infantil LGBT que não existiu; apresentou um livro que jamais esteve nas recomendações do MEC como prova de doutrinação LGBT nas escolas e ainda reescreveu sua biografia ao afirmar que o pai era dentista. Na página 20 do livro sobre ele escrito pelo jornalista Clóvis Saint Clair, o leitor desconfiado poderá desfrutar a história da prisão do pai do deputado, um protético que foi preso acusado de exercício ilegal da profissão.

Aritmética da Emília


A Eletrobras, está sistematicamente atrasando os pagamentos de alguns fornecedores. Em especial os serviços prestados pelos escritórios de advocacia. Há faturas sem pagamento desde fevereiro deste ano.

LANCE LIVRE

O chef Pedro Benoliel comandará a mostra de gastronomia Morar Mais por Menos até o dia 9 de setembro no Casashopping. O cirurgião plástico dr. Luiz Haroldo Pereira, representará o Brasil com demonstração cirurgica ao vivo no Aestheticstanbul 2018, amanhã, em Istambul, Turquia.

 



Recomendadas para você