Jornal do Brasil

Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

País - Opinião

'La Stampa': Brasil sem Evangelho é dominado pela violência 

"Por que essas barbaridades acontecem?", questiona Dom Carlo Verzeletti

Jornal do Brasil

O jornal italiano La Stampa publicou na segunda-feira (2) uma reportagem repercutindo fala do bispo brasileiro Dom Carlo Verzeletti, da Diocese de Castanhal, no Pará. Após uma série de episódios brutais, o bispo pede para voltarmos a dar testemunho de Cristo em suas vidas, porque "se ele não estiver lá, a dignidade humana é espezinhada".

"Vem, Senhor, salvai-nos." 

É o refrão do Salmo 145 citado várias vezes nas orações de Dom Carlo Verzeletti, bispo de Castanhal, no Brasil, frente à impressionante onda de violência que atravessa sua diocese. 

> > Brasile, il vescovo Verzeletti: senza Vangelo domina la violenza

Uma professora da paróquia de Villa Nova foi estuprada, assassinada, esquartejada e queimada por um colega. Em seguida, dois adolescentes foram apanhados roubando uma motocicleta e pegos por um grupo de pessoas: um foi queimado vivo e o outro foi encontrado morto em uma floresta. 

"Para onde foram estas almas - Verzeletti afirma - neste ano santo de misericórdia? Por que fazer justiça com as próprias mãos? " 

 Após uma série de episódios brutais o bispo pede para voltarmos a dar testemunho de Cristo em nossas vidas, porque "se ele não estiver lá, a dignidade humana é espezinhada"
 Após uma série de episódios brutais o bispo pede para voltarmos a dar testemunho de Cristo em nossas vidas, porque "se ele não estiver lá, a dignidade humana é espezinhada"

Também por isso o bispo decidiu celebrar a missa na noite de Natal em Villa Nova "para atender e ouvir famílias fragilizadas, consolá-los e orar com eles e para as vítimas."

Nas últimas semanas foi encontrada uma sepultura com corpos de uma mulher e seus dois filhos esquartejados na cidade de Deolândia, acrescenta La Stampa. 

"Eu não posso imaginar que vidas de crianças inocentes estão sendo ceifadas por guerras, sob os escombros de casas, escolas e hospitais bombardeados, vítimas do terrorismo, tráfico de drogas, fome, devorados pelas águas do mar enquanto fugiam em busca paz. Até quando, Senhor? Não estou entendendo. Vem, Senhor, salvai-nos. " 

Também em Villa Nova, um menino foi atingido por uma bala perdida durante a tentativa de assalto em uma zona distante, enquanto marginais fugiam da polícia. 

"Não é só na Síria que se mata todos os dias, mas aqui também. Em 12 de dezembro, o Instituto de Medicina Legal, havia treze corpos de homens jovens mortos violentamente ", disse o bispo emocionado.

Difícil de entender as causas. "Nós achamos que os culpados são sempre os outros. O que eu não entendo é porque essas barbaridades acontecem. Nós, padres, temos negligenciado e abandonado irmãos e irmãs que o Senhor nos confiou, deixando-os à mercê de seus instintos e suas paixões, sem oferecer-lhes a mensagem do Evangelho, o pão da misericórdia, a nossa proximidade e solidariedade?".

Monsenhor Verzeletti humildemente reconhece os erros da Igreja. "Nós também somos um pouco" culpados. Nossa ausência ou pouca presença na comunidade traz consequências. Onde nós não anunciamos e testemunhamos o Evangelho ou onde quer que o Evangelho esteja faltando, a dignidade humana é diminuída, pisada, desprezada. A vida parece não ter valor. Ele mata por nada. Governa a lei do mais forte. O homem se torna um lobo voraz impiedosamente. A ausência do Evangelho por causa da violência, a divisão, a injustiça, a corrupção e morte. Os outros não são reconhecidos e aceitos como irmãos e filhos de Deus."

"O Evangelho, quando é bem-vindo, nos ajuda a reconhecer a violência que carregamos dentro de nós e nos cura com a misericórdia de Deus e esta é a lição que vem do marido e da filha da catequista morta: Eles escolheram não gritar vingança, mas estão silenciosamente chorando e orando, mas ainda sim existe o problema de uma estrutura família quebrada", diz o texto de La Stampa.

"Pais ausentes, as crianças desamparadas, sem amor ou sendo conduzidas por coisas triviais. Iludidos por drogas e dinheiro fácil. Diante deste contexto de crise espiritual, moral, social e econômica, são chamadas para quebrar o círculo de medo, desconfiança, violência e instinto coletivo que leva a fazer justiça com as próprias mãos ". Como diz o Papa: "Nós temos que trilhar o caminho da não-violência em primeiro lugar dentro da família."

Isso porque a diocese escolheu, para 2017, acompanhar "com mais cuidado a família e especialmente os pais. Especialmente aqueles que passam mais dificuldades. Visitá-los em sua casa, ouvir, consolar, encorajar, compartilhando com eles nossa experiência de fé. " Sem se afastar do aspecto social. "Com a Escola de Artes de São Lucas, planejada e querida para meninos, adolescentes e jovens que vivem em situações de exclusão social, estamos oferecendo vários cursos profissionais com a intenção de ajudá-los a descobrir, aperfeiçoar e desenvolver seu talento. E acima de tudo, queremos aumentar a sua auto-estima, respeito por si mesmo e para os outros, o lugar é como um encontro interior com Deus ".

A reportagem do La Stampa também leva à reflexão sobre o recente episódio da chacina do presídio em Manaus, onde uma briga de facções rivais deixou 56 mortos. O combate, com cenas de barbárie, deixou corpos decapitados e dezenas esquartejados, numa cena de horror. A chacina no presídio superlotado nada mais é do que a consequência mais violenta e bárbara da crise instalada no próprio país, onde a saúde pública não funciona, a escola não ensina, o transporte é precário e as instituições estão na berlinda. Se fora dos presídios a situação para o cidadão comum é precária, imaginem para os presos, empilhados em celas sem as mínimas condições de higiene, sem espaço, sob um calor de 60 graus, sem perspectivas de justiça e de direitos humanos. Neste cenário, os presídios brasileiros, que internacionalmente são conhecidos pela sua absoluta falta de estrutura, se transformam numa verdadeira bomba relógio. E uma hora eles explodem.

Tags: ação, candidatos, Crivella, freixo, política, proteção, religião

Compartilhe: